21 de fev de 2017

This Male Spider Is an Oral Sex Champ

Adicionar legenda
You know how some people complain about having to "waste time" on foreplay\during sex? Well, that's not a problem for the male Darwin's bark spider (Caerostris darwini).
   Found only in Madagascar, the male uses it's mouthpieces to stimulate the female's genitalia before intercourse, and he takes this very seriously:not only this seems to be obligatory (observed in every recorded copulation), this oral attention can occur up to 100 times at each encounter, happening before and after fertilization.
Male stimulating female

 There are still questions around the reason for this extremely rare behavior in arachnids (it was observed in only species of the genus Latrodectus, a.k.a. black widows - although it has not been well documented in these species); the most likely reason according to the researchers would be that males use this technique to demonstrate that they are potential mates. There may still be enzymes present in the saliva that aid in the transmission of sperm or that prevent the success of sperm deposited by other males.
  
The sexual dimorphism in this species is easily seen: females tend to be 4x larger than males, and so they have developed techniques to monopolize the female and ensure the perpetuation of their genes, such as holding them with web during
copulation, guarding  them and prevent another male from approaching and even "breaking" a part of their own genitalia inside the female genitalia, to prevent another male from copulating. These techniques reinforce the theory that the oral sex so well performed in this species aims to ensure mating and prevent the female from being fertilized by another male.
Sexual dimorfism: Males (on top) typically measure about a quarter of an inch, while females (bottom) can be about four times their size, with a body length of about 1 inc. Credit: Biological Institute ZRC SAZU
 Further studies are still needed to fully understand this behavior, but one thing is for sure: females do not seem to object to receiving this oralstimulation ; even though they are very aggressive animals, they allow the male to do all the ritual he performs even if he can not mate with them later, even though females seem to be "ungrateful" lovers: they eat - literally - the male after copulation. The smaller the male, the greater the chances of him being devoured without even being able to fertilize the female (ie, for this species size does matters). And you thought women were demanding in bed, hã?


;P
Sources: LiveScience / Nature's Original Article
Postado por Thalita Morais

O Macho Dessa Aranha É Campeão no Sexo Oral

  Sabe como algumas pessoas reclamam de ter que "perder tempo" com preliminar na hora do sexo? Bom, esse não é um problema para o macho Aranha-de-Darwin (Caerostris darwini).
  Encontradas apenas em Madagascar, o macho utiliza as peças bucais para excitar a genitália da fêmea antes da cópula, e ele leva isso muito a sério: além de ser algo obrigatório (observado em toda cópula registrada), a atenção oral pode acontecer até 100 vezes a cada encontro, acontecendo antes e depois da fertilização.

Macho estimulando a fêmea
   Ainda há dúvidas sobre a razão deste comportamento extremamente raro em aracnídeos (foi observado em apenas espécies do gênero Latrodectus, as viúvas negras - embora não tenha sido bem documentado nessas espécies); o motivo mais provável de acordo com os pesquisadores seria de que os machos usam essa técnica para demonstrar que são potenciais parceiros para reproduzir. Ainda pode haver enzimas presentes na saliva que auxiliem na transmissão de esperma ou que impeçam o sucesso de esperma depositados por outros machos.
  O dimorfismo sexual nessa espécie é discrepante: as fêmeas tendem a ser 4x maiores que os machos, e por isso eles desenvolveram técnicas para monopolizar a fêmea e garantir a perpetuação de seus genes, como prendê-las com teia durante a cópula, fazer guarda próximo à elas e impedir que outro macho se aproxime e inclusive "quebrar" uma peça da própria genitália dentro da genitália da fêmea, para impedir que outro macho consiga copular. Essas técnicas reforçam a teoria de que o sexo oral tão bem desempenhado por essa espécie  seja para garantir o acasalamento e impedir que a fêmea seja fecundada por outro macho.
Dimorfismo sexual: a fêmea (embaixo) pode chegar a 20 milímetros enquanto o macho (em cima) chega a míseros 6 milímetros. Credito: Biological Institute ZRC SAZU
   Mais estudos ainda são necessários para entender inteiramente esse comportamento, mas uma coisa é certa: as fêmeas não parecem fazer objeção alguma com relação a receber este estímulo oral;  mesmo sendo animais muito agressivos, elas permitem que o macho faça todo o ritual que ele executa mesmo se não conseguir copular com elas posteriormente, embora elas se mostrem amantes "ingratas": comem - literalmente - o macho após a cópula, utilizando o alimento como energia para a maturação do ovos. Quanto menor o macho, maior as chances dele ser devorado sem conseguir fecundar a fêmea (ou seja, para essa espécie o tamanho importa). E você achando que as mulheres humanas eram exigentes na cama, não é mesmo?

;P
Sources: LiveScience / Artigo da Nature Original 
Postado por Thalita Morais

28 de jul de 2016

Doenças mais comuns em cada raça de cachorro (e a crueldade por trás dos cruzamentos)

Por conta do focinho “achatado”, os pugs apresentam muitos problemas respiratórios que, com o passar do tempo, podem resultar em doenças cardíacas. A cauda em espiral que tanto agrada os compradores é um defeito genético que nas formas mais graves pode levar a paralisia.| Foto: Pixabay
    Já se perguntou como existem tantas raças diferentes de cachorro sendo que todos são da mesma espécie (Canis lupus)?
    Existe uma coisa chamada cruzamento seletivo, em que os criadores decidem que características eles querem que se destaque no cachorro e escolhem a dedo quais animais possuem essa característica mais acentuada e vão cruzando esses cães uns com os outros para que os filhotes mantenham essa característica, e a cada geração ela vá se acentuando até que todos os filhotes sempre nasçam iguais. Para isso, eles cruzam animais geneticamente próximos (cruzamento endogâmico), "da mesma família", o que diminui a variabilidade genética deles. Ou seja, os mesmos genes são passados de um para o outro, e se um animal tem um defeito genético (como um problema pulmonar congênito, por exemplo) todos os animais descendentes dele terão esse problema, porque não há variabilidade genética (genes diferentes que não têm esse defeito) que possam poupar o filhote de ter a mesma doença. 
   É mais ou menos aquela história que te contavam quando criança que se primos tiverem um filho, ele nasceria com "defeito". Pensa assim: uma doença recessiva para ser expressa na pessoa precisa ser herdada do pai e da mãe (dois genes que expressam o defeito genético), se apenas a mãe passar o gene com essa doença recessiva e o pai passar um gene sem a doença, a criança nasce sem o defeito genético expresso, mas carrega no sangue a "informação" da doença (um gene com o "defeito"), que só vai se manifestar em seu filho se o seu parceiro por sua vez também carregar essa informação (tornando assim novamente dois genes que ai sim farão a criança ter o problema). 
   Doenças recessivas são raras justamente por isso, é difícil você encontrar duas pessoas com a mesma informação genética "defeituosa" que terão um filho junto; porém, se essa informação genética foi passada pela sua avó, ela pode estar circulando no sangue de toda sua família e então se você tem um filho com seu primo que também recebeu o gene defeituoso, o filho de vocês nascerá com a doença. É isso que chamamos de baixa variabilidade genética: cruzamento entre indivíduos geneticamente próximos que não permite muita escolha genética na loteria da vida. E é por isso que cães de raça, que são cruzados entre si, possuem doenças que são comuns em cada raça, porque são passadas para frente cruzando animal com defeito genético com outro animal com o mesmo com defeito genético, nascendo filhotes com esse defeito genético e assim por diante.
  Cães SRD (sem raça definida, conhecidos como vira-latas ou guapecas) por outro lado, possuem uma variabilidade genética alta com diferentes cachorros e seus vários genes diferentes misturados e eles estão sujeitos a seleção natural onde o mais "apto" sobrevive, o que não acontece com os de raça que são criados em seleção artificial (feita por seres humanos e não pela pressão da natureza). Portanto, são mais resistentes e têm uma saúde mais estável, já que se um gene é defeituoso ele tem o outro que não é porque não são todos "iguais". 
Abaixo, confira algumas raças puras de cachorros e a doença que eles podem expressar devido ao cruzamento seletivo:
Foto: Pixabay
 Yorkshire
O colapso traqueal é um problema característico desta raça. A traqueia do animal diminui, o que dificulta a passagem do ar. Podem ocorrer vômitos e problemas cardíacos em decorrência do problema.
Foto: Pixabay
Pastor alemão
Os “raça pura” já são raros no Brasil. Os cruzamentos mudaram a estrutura óssea do quadril, causando displasias coxo-femurais com frequência, isso causa dores ao animal, que pode até não conseguir mais andar.
Foto: Pixabay
Labrador e Golden Retriever         
Por serem raças com estrutura óssea grande e pesada, problemas articulares são comuns. Como acontece com muitos cães grandes, a cabeça do fêmur não se encaixa bem na bacia. O problema, a displasia coxofemoral, prejudica a mobilidade das patas traseiras. Também é comum o desgaste da articulação do cotovelo. A incidência de câncer (neoplasia) também é recorrente.
Foto: Desconhecido
Basset 
Perdeu estatura ficando mais baixo, sofreu alterações em sua estrutura das pernas de trás, tem excesso de pele, problemas de vértebra e orelhas muito grandes 9dificultando a acústica). Estes animais também possuem hoje olhos caídos propensos a desenvolver entrópio, doença em que a pálpebra se vira sobre si mesma contra o globo ocular e ectrópio, um afastamento da margem pálpebra.
Foto: Desconhecido
 Dachshund 
Os cães dessa raça possuem problemas graves nas vértebras que podem resultar em paralisia. Também desenvolvem doenças nas vértebras que pode resultar em paralisia, são propensos a patologias relacionadas Acondroplasia (má formação das cartilagens) e problemas nas pernas.
Foto:
Pinscher
Luxação na rótula do joelho e necrose da cabeça do fêmur são comuns nos cães desta raça. Outras doenças da raça são epilepsia e sarna demodécica, também chamada sarna negra. Esta doença de pele não é transmitida a seres humanos, mas pode debilitar o animal.
Foto: Desconhecido
 Chihuahua
 A pequena estatura está associada à hidrocefalia – o aumento dos fluidos no cérebro. O volume elevado aumenta a pressão no cérebro. Em alguns casos, a pressão pode causar dor, perda das funções cerebrais e morte.
Foto:
Dálmata
 Muita gente não sabe, mas esta é a raça mais atingida por surdez. Até 30% dos dálmatas ficam surdos de um ouvido e 10% de ambos. E dá para prever quem será afetado: quanto maior a extensão da cor branca, maior a probabilidade de perder a audição.

Por isso, termino essa matéria pedindo que se ADOTE animais, e não compre. Há vários cachorros esperando um lar que são ignorados porque não são "de raça", mas que são exatamente como um cão com pedigree, lhe darão amor, gratidão e vão latir igual, mas estarão sendo salvos da rua e da crueldade que encontram diariamente. Se tiver interesse, tem alguns animais para adotar aqui (Curitiba) ou aqui ou em vários abrigos em cada cidade do país.
Se ainda sim você prefere animais de raça, tudo bem, só certifique-se qual a origem do animal, uma vez que vários animais ficam preso em condições deploráveis só reproduzindo para gerar lucro, os chamados "cães-matriz", e você pode estar financiando essa crueldade. Sempre pesquise a origem do animal mesmo comprando em pet store, já que ali você vê só o filhote bonitinhos e não vê nem sabe o estado da mãe que o gerou. E seja responsável: o cão pode ter as doenças mencionadas acima ou outros problemas e precisar de grandes gastos no veterinário, e muitos são abandonados por isso. ABANDONO DE ANIMAL É CRIME, só tenha um se estiver certo do comprometimento, é uma vida e não um souvenir. E CASTRE seu animal, de raça ou não, pois isso diminuí doenças, chances de desenvolver câncer, deixa o animal mais calmo e sem aquele show todo do cio, além de evitar que mais animais venham ao mundo quando já temos tantos em abrigos e na rua esperando um lar.

Fontes:  Dog Behavior Science / Diário de Biologia / Mundo Estranho / Viver Bem Animal
Amigo Não se Compra
Postado por Thalita Morais

21 de jun de 2016

Você consegue encontrar os animais escondidos nessas fotos? / Can you find the hidden animals on these photos?

Biologia-Vida | Photo: David Midgley
Resposta/Answer
   Incrível camuflagem de um Bicho-Folha (Tropidoderus childrenii), encontrado na Austrália, que vivem em eucaliptos e se alimentam das folhas dessa árvore.

Amazing camouflage of a Children's stick insect (Tropidoderus childrenii), found in Australia, that live on Eucalyptus trees and eat its leaves.
___

  As formas de se defender na vida selvagem são muitas, desde agressividade até venenos mortais. Alguns animais, porém, conseguem se proteger ficando completamente parados e se camuflando entre o meio onde vivem. Seguem aqui alguns exemplos dessa característica e alguns desafios: você consegue encontrar todos os animais aqui? (Como sou muito boazinha, coloquei abaixo de cada foto uma resposta com o animal circulado, para ninguém passar nervoso se não encontrar hehehe).
   Vale lembrar que ser parecido com uma folha ou pedra não foi algo que o bicho escolheu, ele não se camuflou porque resolveu que seria uma boa ideia. Essas espécies foram sofrendo mutações ao decorrer de muitos anos, e os indivíduos cuja mutação resultou em um corpo mais parecido com uma folha sobreviveram com mais facilidade e os que não possuíam essa mutação eram comidos e não tinham oportunidade de se reproduzir. Com o passar dos anos apenas os animais que sobreviviam, os camuflados, conseguiam ter filhotes e passar para frente seus genes e assim a seleção natural manteve apenas os animais da espécie que eram camuflados, sendo da forma que observamos hoje.
  E, claro, a seleção vai continuar atuando enquanto eles se reproduzem e morrem, portanto conforme o ambiente em volta deles muda as características "vencedoras" mudam também. Ou seja, toda espécie está em constante mudança e subjetiva à seleção natural conforme a população aumenta (ou diminui).
Photo: Wildmadagascar.org
Resposta/answer
Biologia-Vida | Photo: Thomas Marent
Resposta/Answer
Você consegue encontrar o mestre da camuflagem nessas fotos? Lagartixas do rabo de musgo (Uroplatus sikorae) são encontradas apenas em Madagascar e conseguem mudar de cor para combinar com o ambiente ao seu redor, além de possuir abas em torno do corpo que ajudam a evitar que o animal fique destacado demais nas árvores.

You can spot the master of camouflage on these photos? Mossy Leaf-tailed Gecko (Uroplatus sikorae) are only found in Madagascar and can change their skin color to match the environment around him, and have dermal flaps around the body  which break up its outline when at rest at trees.
 __
There are many ways  that animals defend themselves in the wild, from aggression to deadly poisons. Some animals, however, can protect themselves sitting completely still  and camouflaging themselves on the environment where they live. Here are some examples of this feature and some challenges: can you find all the animals here? (since I'm a loving person, I put a link with the answer of each photo each the animal circulated so nobody would get nervous if you can't find it).
   
Remember that looking like a leaf or stone was not something that the animal chosen, he did not camouflaged because he decided it would be a good idea. These species
suffered mutations on the course of many years, and individuals whose mutation resulted in a body more like a leaf survived more easily and those who did not have this mutation were eaten and had no chance to reproduce. Over the years only animals that survived, the camouflaged ones, could have babies and passed on their genes and so natural selection kept only animals of the species that were camouflaged, and those are the ones we see today.
  
And of course, the selection will continue acting as they reproduce and die, so as the environment around them changes the
"winning" characteristics change too. That is, all species are constantly changing and subjective to natural selection as the population increases (or decreases).
Biologia-Vida | Photo: Lior Golgher
Resposta/answer
Acredite ou não, tem um sapo folha (Proceratophrys boiei) em cada uma dessas fotos! A camuflagem dele é perfeita, exatamente igual uma folha seca; ele é encontrado aqui no Brasil, associado à Mata Atlântica e áreas de transição com cerrado, desde o Espírito Santo até o sul de Santa Catarina.

Believe it or not, there is one leaf frog (Proceratophrys boiei) on each of these two photos! It's camouflage is perfect, just like a dry leaf; it is found in Brazil, associated with the Atlantic Rainforest and transition areas with Cerrado, from thestate Espírito Santo to the south of Santa Catarina.
 
Biologia-Vida | Photo: Christian Ziegler
Resposta/Answer

 Com uma camuflagem quase perfeita, essa esperança-folha (família Tettigoniidae) pode acabar passando despercebida por outros insetos, que só perceberão sua presença quando virarem refeição.

With an almost perfect camouflage, this leaf katydid (family Tettigoniidae) may end up passing unnoticed by other insects, which will only realize their presence once they already became a meal.
Biologia-vida | Photo: Arthur Anker
Resposta/Answer
Mariposa folha seca (Oxytenis modestia) encontrada desde a Guatemala até América do Sul.  A lagarta dessa espécie também é fantástica, com um desenho no corpo que parecem olhos enormes a fazendo parecer um animal maior e assustando predadores. Já a mariposa (fase adulta) como podemos ver, se defende camuflando e enganando predadores.

Dead leaf moth (Oxytenis modesty) found from Guatemala to South America. The caterpillar of this species is also fantastic, with a design in the body that seems like two huge eyes making it look like a larger animal and scaring predators. Now the moth (adulthood) as we can see camouflage itself and deceives predators.
Photo: Eerika Schulz
Resposta/Answer
Biologia-Vida | Photo: Geiser Trivelato
Resposta/Answer
Photo: Morten Ross
Resposta/Answer
Urutau ou Mãe da lua (Nyctibius sp.) possui um dos cantos mais bonitos e tristes do mundo. Encontrado na América do sul e amplamente distribuído pelo Brasil, tanto adulto quanto filhote conseguem ficar bastante tempo parados em postas de galhos, se camuflando perfeitamente. 

Common Potoo (Nyctibius sp.) it has one of the most beautiful and sad singing of the world. Found in South America and widely distributed throughout Brazil, both adult and puppy can stay a long time standing in branches, perfectly camouflaging themselves.
Photo: Unknown photographer. If you know, please tell us
Resposta/Answer
Nessa ultima foto tem um sapo bem pequeno, a foto que foi mais difícil para mim encontrar! Boa sorte! / On this last photo, there is a very small frog that was the hardest one for me to find! Good luck!

Fontes/Sources: AmphibiaWeb / Catterpillars / Encyclopedia od Life /
Postado por Thalita Morais

20 de jun de 2016

Os Inacreditáveis Sapos-de-Vidro / The Unbelievable Glass Frog


Biologia-Vida | Photo: Jaime Culebras
   Esses são daqueles animais difíceis de acreditar que existirem de tão lindos e incríveis! 
Algumas espécies dentro da família Centrolenidae possuem a pele do ventre translúcida, tornando possível ver os órgãos internos do bichinho, o que lhes concedeu o nome popular "Sapos de vidro". Coração, intestinos e demais vísceras ficam completamente nítidas no corpo desses animais; a parte dorsal varia de cor entre verde claro e verde escuro. Alguns membros dessa família também possuem os ossos verdes, resultado de um sal pigmentado excretado pela bile.
    A maior parte dos Centronídeos são pequenos (33mm), com uma única exceção que é a espécie Centrolene gekkoideum que pode chegar a 77mm. Eles vivem nos topos da árvores, e os ovos são deixados em pedras ou folhas sob os cuidados dos pais. Quando os girinos saem, eles caem diretamente em poças ou rios diretamente abaixo das árvores e se enterram no substrato abaixo.
    Vivem apenas na região úmida neotropical, com maior diversidade nas encostas dos Andes, bem como na Costa Rica e Panamá. Existem 3 gêneros dentro da família, com cerca de cem espécies.
Biologia-Vida | Photo:  Robin
Photo: Alejandro Arteaga
     Thses animals are so beautiful and incredible that is hard to believe they even exist!Some species within the family Centrolenidae have the belly skin translucent, making it possible to see it's internal organs, which gave them the popular name "glass frogs." Heart, intestines and other viscera are completely clear in the body of these animals; the dorsal part varies in color between light and dark green. Some members of this family also have green bones, the result of green bile salts. 
   Most Centrolenid are small (33mm), with one exception that is the species Centrolene gekkoideum that can reach 77mm. They live in the tops of trees, and the eggs are left in stones or leaves under the care of parents. When the tadpoles come out, they fall directly in pools or rivers directly below the trees and get buried in the substrate below. 
  They live only in the humid neotropics, with the greatest diversity on the slopes of the Andes, as well as in Costa Rica and Panama. There are three genera within the family, with about a hundred species.
Photo: Mark Mandica
Photo: Unknown Photographer, if you know please tell us
Photo: Jonathan Sequeira
Postado por Thalita Morais

15 de jun de 2016

Cinco baratas que vão te fazer mudar de idéia sobre esse inseto! / Five Cockroaches that will make you change your mind about this Insect!

Muitas vezes chamadas de nojentas e repugnantes, as baratas são animais inofensivos que ajudam a decompor o lixo infinito produzidos por nós. Se você tem medo e nojo de barata, dê uma olhada nessas espécies e veja se não muda sua percepção sobre elas!

Often called filthy and disgusting, cockroaches are harmless animals that help decompose the infinite waste produced by us. If you are afraid or thinks they are disgusted, take a look at these species and see if it changes your perception of them!
Biologia-Vida | Photo: Arthur Anker
Uma barata colorida neotropical (ordem Blattoidea, possivelmente da família Blaberidae - antigamente Epilampridae), encontrada na Guiana.

A colorful Neotropical cockroach (order Blattoidea, possibly family Blaberidae - formerly Epilampridae), found in rainforest of Guyana.

Photo: Melvyn Yeo
Photo: Melvyn Yeo
A Barata de Phill (Perisphaerus sp.) encontrada na Ásia, parece um tatu bolinha e consegue se enrolar numa bolinha igual caso se sinta ameaçada, porém seu mecanismo de defesa principal ainda é igual às outras baratas: se movimentar super rápido e correr até sumir de vista.

Phill's Cockroach (. Perisphaerus sp) found in Asia, looks like a woodlice and can curl up in a ball like one if it feels threatened, but its main defense mechanism is still like other cockroaches: move super fast and run un till disappear from sight.
Photo: Bruce Thomsom
 A barata Tigre solar  (Polyzosteria sp.) encontrada na Austrália tem cores muito bonitas que a fazem parecer a bundinha de uma abelha!

The sun tiger cockroach (Polyzosteria sp.) found in Australi has some beautiful colors that make it look like a bee's butt!


Photo: Jenny, Kalgoorlie, WA
Photo: Josef Dvořák
Barata de Mitchell  (Polyzosteria mitchelli) encontrada na Austrália tem cores fantásticas! São animais diurnos e solitários, e se juntam apenas durante a época de reprodução; apesar de você desejar que fosse essa a espécie de barata que invade a sua casa (e não a comum que geralmente vemos aqui no Brasil), essa espécie prefere o ar fresco dos arbustos do lado de fora das casas.

Mardi Gras Cockroach or Mitchell's Diurnal Cockroach (Polyzosteria mitchelli) found in Australia has some pretty awesome colors! They are diurnal and solitary, only coming together to mate and although some of you may wish this is the species that invades your house, Mitchell's cockroach prefers the fresh air of the bushes outside.
Photo: Paul Betner
Mais uma barata iridescente, provavelmente da espécie Polyzosteria virridissima. Diversas espécies dentro do gênero Polyzosteria são fabulosas e fogem da imagem comum que temos de uma barata; e, claro, todas são encontradas na Austrália.

 Another iridescent cockroach, probably species  Polyzosteria virridissima. Many species that belong to the genus  Polyzosteria are fabulous and  look nothing like the brown cockroach that we are used to and, of course, they are all found in Australia.

Fontes/Sources: Cockroaches SpeciesAtlas of Living Australia / Esperance Fauna / Encyclopedia of Life
Postado por Thalita Morais

14 de jun de 2016

O bizarro Galo-da-rocha / The bizarre looking Cock-of-the-rock


 O bizarro Galo-da-rocha (Rupicola peruvianus), encontrado na América do Sul é uma das aves mais facilmente reconhecíveis da região dos Andes; apresenta dimorfismo sexual, ou seja macho e fêmea possuem características morfológicas diferentes, onde apenas o macho tem penas vermelhas fortes e uma crista, que serve para chamar atenção da fêmea no momento do acasalamento. O nome comum deriva da preferência que as aves tem de fazer seus ninhos de lama em pedras. 
Os machos formam algo chamado de Lek, um agrupamento de machos em época de acasalamento que passam como um desfile na frente das fêmeas, batalhando por atenção.  É conhecida como a ave nacional do Peru. 
Photo: Wilmer Quiceno
The bizarre looking Cock-of-the-rock (Rupicola peruvianus), found in South America is one of the birds most easily recognizable birds of the Andes; there is presence of sexual dimorphism, ie male and female have different morphological characteristics,  where only the male has red feathers and a strong ridge, which serves to caught attention of the female during mating. The common name derives from the preference that the birds have to build their cup mud nests in rocks.
Males form something called Lek, a group of males in mating season that walk in front of females like a parade, battling for attention. It is known as Peru's national bird.

Photo: Geraldo G. Barros
Photo: Geraldo G. Barros
Sources:  Neotropical Birds / UFBA / Zoologia
Postado por Thalita Morais